As bolsas de valores não são mais o que costumavam ser. Podemos dizer isso apenas pisando no chão do mercado mais poderoso do mundo, em Wall Street, Nova York.

No início do século, a Bolsa de Nova York empregava cerca de 5.000 traders para executar todos os pedidos. Hoje, os únicos profissionais de finanças que trabalham no espaço considerado um símbolo também desempenham funções extras como figurantes em cerimônias de abertura e programação na rede de TV CNBC, que aluga parte do local. Na realidade, a maior parte das transações da NYSE, de longe a maior bolsa do mundo em valor de mercado, ocorre em seu data center do outro lado do Rio Hudson, em Mahwah, Nova Jersey. Os data centers de Nova Jersey abrigam a maioria das atividades de negociação de ações dos EUA atualmente.

“Os espaços físicos são apenas estúdios de televisão, pois quase todas as negociações acontecem em data centers”, diz Brad Katsuyama, CEO da The Investors Exchange (IEX), que processa negociações no data center CenturyLink em Weehawken, Nova Jersey.

Nova York não é a única cidade a desativar seus pregões; cidades como Manchester, Paris e Vancouver também fizeram isso. Depois que a Nasdaq foi pioneira no comércio eletrônico na década de 1970, a gritaria típica da maioria das bolsas deu lugar ao comércio eletrônico ultrarrápido, deixando os profissionais confiarem em cabos e velocidade, em vez de gritarem dentro de edifícios neoclássicos ou eduardianos.

Hoteleiros e incorporadoras de todo o mundo começaram a usar esses obstáculos de arquitetura para atrair as massas a novos hotéis, museus e academias. Os proprietários não estão apenas adicionando uma joia da coroa ao seu portfólio, mas esperando retornos saudáveis ​​por terem problemas para modernizar as estruturas históricas, que normalmente vêm com encanamento e aquecimento antigos.

“De uma perspectiva de investimento, a introdução de um novo uso na bolsa é uma jogada ousada, mas sábia”, diz Winston Zahra, presidente da GG Hospitality, que abriu o Stock Exchange Hotel este mês em Manchester, Reino Unido. “Troféu? Eu odeio o termo, mas a realidade é que esses edifícios são vistos como parte do legado de uma cidade. Há uma sensação de orgulho.” Sua cobertura tem um cofre de banco. Barras de ouro servem como parte da decoração, e os fantasmas dos traders do passado aparecem em fotografias em tons de sépia ao longo das paredes.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.