A cotação mais alta do dólar tem mudado os planos de férias de muitos brasileiros. Quem já tem viagem marcada para o exterior, principalmente para os Estados Unidos, começa a fazer contas, para tentar economizar. Já quem ainda não decidiu o destino está pensando em alternativas mais baratas, notadamente fora do território americano.

A CVC, a maior operadora de viagens do Brasil, tem observado essa mudança de comportamento nas suas vendas. A percepção é que os clientes não estão deixando de viajar, mas buscam adaptar os planos a esse contexto de dólar mais alto.

Quais são os destinos alternativos? A CVC diz que a busca por destinos na América do Sul, principalmente para a Argentina, está aquecida. Desde o início do ano, o peso argentino se desvalorizou 6% em relação ao real. Não por acaso, as visitas a Buenos Aires cresceram 20% nos últimos meses, de acordo com a CVC.

Apesar disso, vale lembrar que a economia argentina é bastante dolarizada, tanto que a moeda americana pode ser usada para pagar contas em restaurantes, entradas em shows e outras atrações. A cotação do dólar não está vantajosa, mas muitos comerciantes fazem descontos para quem opta por pagar com a moeda americana.

Outro destino no exterior que tem sido visto como alternativa é Portugal. A CVC diz que as viagens para a Europa estão com alta procura, mas que as cidades portuguesas estão à frente nessa corrida. Além de ser um destino muito querido pelos brasileiros, o país tem o euro como moeda oficial. Desde o início de janeiro, o euro subiu 5,5% em relação ao real: é bastante, mas não tanto quanto o dólar, que se valorizou 8,5% no período.

E nada de viajar para cidades brasileiras? Na semana passada, o ministro Paulo Guedes causou grande polêmica ao recomendar que os brasileiros comecem a viajar para destinos nacionais, em vez de ir para a Disney. E parece que o ministro falou sem conhecimento de causa, porque essa procura já estava em alta.

Em nota enviada ao 6 Minutos, a CVC conta que os clientes que são mais sensíveis ao dólar adiam a ida ao exterior e escolhem destinos dentro do Brasil. Apesar de os destinos mais badalados, como as praias do Nordeste, ficarem mais salgados na alta temporada, ainda é possível garimpar boas oportunidades em datas menos procuradas.

“A escolha do destino da viagem passa a ser orientada pelo orçamento disponível. Ou seja, a família acaba optando pelo ‘destino que cabe no bolso’ no lugar do ‘destino dos sonhos'”, diz a empresa.

Dicas para a sua viagem sobreviver ao dólar mais caro

A CVC também elaborou dicas para os viajantes não deixarem de se divertir neste ano. Veja abaixo:

  • Se você não se planejou e a data das férias ou da folga está chegando, talvez seja uma boa ideia garimpar promoções de última hora. As companhias costumam fazer saldões de passagens e hospedagem para as vagas que sobraram.
  • Encurtar a viagem nem sempre reduz as despesas — voltar em um final de semana pode ser mais caro do que marcar a passagem de volta para um dia da semana. O melhor é controlar os gastos, ou optar por hospedagens que incluem mais refeições.
  • Dividir a hospedagem sai sempre mais barato, e ajuda a diluir os custos da viagem entre os membros da família. Talvez um quarto quádruplo seja melhor que dois quartos duplos.
  • Se o voo estiver caro, estude outros meios de transportes para se locomover na viagem. Aquela viagem curta de avião possa ser substituída por uma viagem de trem ou de ônibus.
  • Fique atento às oportunidades. A desvalorização do peso argentino, em razão dos problemas econômicos que o país ultrapassa, torna a viagem para o país mais barata, por exemplo.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda? Você pode mandar suas perguntas para o e-mail [email protected]. Quem nos segue no WhatsApp também pode mandar sua dúvida. Se você quiser entrar no grupo, esse é o link: https://6minutos.com.br/whatsapp.