Os italianos costumam dizer: “Per conoscere Roma, non basta una vita” (para conhecer Roma, uma vida não é suficiente).

E não há muito exagero nesta frase: a chamada Cidade Eterna tem uma infinidade de atrativos que atravessam alguns dos mais importantes períodos da história da humanidade, do Império Romano ao Renascimento, da Idade Média à Segunda Guerra Mundial.

São muitos os cartões-postais da capital da Itália, como o Coliseu, a Fontana di Trevi e a Piazza di Spagna.

Mas, no meio de tantas paisagens célebres, o viajante ainda pode explorar, na cidade, locais fascinantes que não são conhecidos do grande público.

A seguir, veja como realizar um tour romano incrível visitando um lugar imperdível e três cantinhos inusitados de uma das principais metrópoles da Europa.

Lugar imperdível: Trastevere

Vista aérea do Trastevere com destaque para a ponte Sisto e o rio Tibre
Crédito: Ines Vilas-Boas/Shutterstock

Entre as muitas regiões lindas que compõem a cidade de Roma, Trastevere se destaca.

Trata-se de uma área localizada na margem oeste do rio Tibre e que abriga algumas das ruas mais acolhedoras da capital italiana.

Para começar, muitos turistas chegam a Trastevere através da ponte Sisto, uma obra arquitetônica de 108 metros de comprimento inaugurada em 1479 e que chama a atenção com seus poéticos arcos de pedra, através dos quais corre a água do lendário Tibre.

Cruze a ponte calmamente, tire ótimas fotos sobre sua estrutura (de lá, é possíver ver a cúpula da Basílica de São Pedro, no Vaticano) e, ao final do trajeto, dê uma parada na Piazza Trilussa, praça dedicada ao poeta romano Carlo Alberto Salustri “Trilussa”, falecido em 1950.

Ali começam diversas das vielas de paralelepípedo de Trastevere, onde você irá encontrar deliciosos restaurantes italianos (não deixe de pedir o tradicional macarrão “cacio e pepe”, feito com queijo pecorino e pimenta do reino preta), agradáveis cafés e barzinhos animados por turistas e estudantes locais.

Na região também se localiza a Basílica di Santa Maria in Trastevere, marcada por um enorme mosaico dourado criado, no século 13, pelo artista Pietro Cavallini.

A Villa Farnesina, por sua vez, que fica na área, é adornada com afrescos assinados por Rafael Sanzio, como a obra “Triunfo de Galateia”.

E não deixe de subir até a colina do Gianicolo, que proporciona vistas panorâmicas inesquecíveis de Roma.

A embaixada brasileira que fica em um palácio

O Palácio Pamphilj é a sede da embaixada brasileira em Roma
Crédito: Shutterstock

Em Roma está o que provavelmente é a mais linda embaixada do Brasil no mundo.

Aberto a visitas turísticas (saiba como agendar os tours), o prédio diplomático fica na Piazza Navona (uma das praças mais belas da capital italiana) e se chama Palácio Pamphilj.

A edificação começou a ser erguida no século 17 a mando da poderosíssima família Pamphilj (à qual pertenceu o papa Inocêncio 10º) e, em seu interior suntuoso, abriga preciosidades como a Galeria Cortona, coberta por um afresco de 33 metros de comprimento por 7 metros de largura finalizado em 1654 e inspirado no poema “Eneida”, de Virgílio (e que é assinado pelo artista Pietro Cortona).

O tour passa ainda por outras salas do palácio, onde é possível admirar bustos de imperadores romanos e espaços de eventos culturais e diplomáticos realizados pelo Itamaraty.

Ostia Antica

Ostia Antica e é um enorme sítio arqueológico que ainda não foi dominado pelo turismo de massa

Esta atração não está dentro de Roma, mas a aproximadamente 30 km da capital italiana.

O local se chama Ostia Antica e é um enorme sítio arqueológico que ainda não foi dominado pelo turismo de massa e que vale (e muito) uma visita de um dia, no esquema bate e volta.

Ostia Antica fica na área em que o rio Tibre deságua no mar Tirreno e foi um dos principais complexos portuários da República e do Império Romanos: servia como entreposto comercial entre a metrópole e seus domínios no mar Mediterrâneo e, na época do imperador Adriano, no século 2. d.C., chegou a ter 50 mil habitantes.

Hoje, este destino guarda um parque arqueológico extremamente bem preservado, onde existem desde os resquícios de uma fortaleza do século 4 a.C. até um teatro ao ar livre com nada menos do que 3.000 lugares.

Entre os outros destaques do lugar estão uma antiga área de banhos termais adornada por mosaicos que exibem figuras de monstros marinhos, sereias e de Netuno, além de uma necrópole com túmulos com mais de 2.000 anos e ruas adornadas por lindas estátuas de pedra.

Um passeio imperdível para os aficionados pelas histórias do Império Romano.

Basílica Santa Maria Maggiore

A Basílica Santa Maria Maggiore, em Roma
Crédito: Shutterstock

Ao pisar em Roma, muita gente reserva um dia inteiro para ir até o Vaticano e seus monumentos religiosos famosos.

Mas se programe também para entrar na Basílica Santa Maria Maggiore, que pode tranquilamente ser considerada a igreja mais linda da capital italiana (e que, surpreendentemente, não é tão frequentada por turistas como os templos do Vaticano).

O interior dourado gigantesco da basílica surpreende até a mais viajada das pessoas: muitos têm a opinião de que é um espaço que ganha da Basílica de São Pedro em opulência e beleza arquitetônica.

O edifício mistura diversos estilos arquitetônicos, do românico ao barroco, e também impressiona com seus mosaicos de imagens sacras e seu campanário, considerado o mais alto de Roma, com 75 metros.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.