O presidente da França, Emmanuel Macron, parece não ter muito apoio nas ameaças de suspender o acordo entre União Europeia e Mercosul devido aos incêndios na Amazônia. Macron quer discutir o assunto durante a cúpula do G7 (grupo de países ricos, formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) que começa neste sábado, 24, em Biarritz.

Como estão os outros líderes? Ao menos três países (Alemanha, Espanha e Reino Unido) parecem discordar de Macron:

  • A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que impedir um acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul não ajudará a reduzir a destruição da floresta.
  • O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou que “há todo tipo de pessoa que usará qualquer desculpa para interferir no comércio e frustrar os acordos comerciais, e eu não quero ver isso”.
  • Segundo a AFP, o governo da Espanha divulgou em nota que “não compartilha a postura de bloquear o acordo”.

E como anda o comércio do Mercosul com outros blocos? O Ministério da Economia informou hoje o fechamento do acordo entre a Efta (Associação Europeia de Livre-Comércio, formada por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein) com o Mercosul. Pelos cálculos do governo, o acordo pode elevar o PIB do Brasil em US$ 5,2 bilhões em 15 anos, por conta do fluxo comercial mais intenso entre as duas regiões e dos maiores investimento.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)