Os preços no Brasil ficaram praticamente estáveis no mês de junho, após dois meses consecutivos de deflação. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e foram divulgados nesta quinta-feira (25).

O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial para o mês, ficou em 0,02%. Em maio, o índice registrou queda de 0,59% e, em abril, um recuo de 0,01%.

Veja os detalhes:

Alimentação: alta de 0,47%, no embalo do aumento dos preços da alimentação no domicílio (0,56%). Ficaram mais caras a batata (16,84%), carne (1,08%), cebola (14,05%) e feijão-carioca (9,38%).

Por outro lado, estão mais baratos o tomate (-12,36%), a cenoura (-12,05%) e as frutas (-0,80%).

Transporte: queda de  0,71%, puxada pelo preço dos combustíveis (-0,34%).

Habitação: -0,07%, estimulada pela queda de 0,48% da energia elétrica. A bandeira verde, que tende a baratear a conta de energia, será mantida até o fim do ano.

Como o IPCA-15 é calculado? Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 15 de maio a 15 de junho de 2020 e comparados com o período anterior, de 15 de abril a 14 de maio de 2020.

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.com.br/whatsapp.