O governo de Jair Bolsonaro reagiu ao anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que vai reestabelecer tarifas sobre o aço e o alumínio do Brasil, acusando o país de manipulação cambial.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou que a autoridade monetária não atua no mercado de câmbio visando patamares específicos para o dólar. E, em nota conjunta, os ministérios da Economia, das Relações Exteriores e da Agricultura disseram que o governo brasileiro já está em contato com autoridades norte-americanas para defender os interesses das companhias dos dois setores.

“O câmbio é flutuante e o Banco Central só vai atuar quando entender que é necessária alguma intervenção”, afirmou Campos Neto, acrescentando que a alta recente do dólar, na sua avaliação, foi influenciada pela frustração de investidores com a baixa participação de estrangeiros nos leilões de petróleo do início do mês.

O que Trump disse? O republicano anunciou nesta segunda pela manhã (dia 2), pelo Twitter, que irá retomar imediatamente tarifas americanas sobre importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina. A razão seria a recente desvalorização do real e do peso em relação ao dólar, que favorece a competitividade dos produtos dos dois países.

O que diz a nota dos ministérios? “O governo trabalhará para defender o interesse comercial brasileiro e assegurar a fluidez do comércio com os EUA, com vistas a ampliar o intercâmbio comercial e aprofundar o relacionamento bilateral, em benefício de ambos os países.”

(Com a Reuters)

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.