Entre os dias 22 e 28 de março, os Estados Unidos contabilizaram 6,65 milhões de pedidos de seguro-desemprego. O número bateu um novo recorde e dobrou em relação à semana encerrada em 21 de março, mostrando o tamanho da crise provocada pelo coronavírus.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (dia 2) pelo departamento de trabalho dos EUA. E superaram todas as estimativas feitas, que esperavam 3,76 milhões de medidos, na média, segundo a agência de notícias Bloomberg.

Como já se esperava, os serviços mais afetados foram os de varejo, restaurante e turismo. Algumas indústrias também já iniciaram os processos de demissões.

Um dos índices adotados pelos EUA é a taxa de desemprego segurado. Com os números divulgados referentes às duas últimas semanas – mais de 3 milhões entre 16 e 21 de março, e os 6,65 milhões entre 22 e 28 do mesmo mês,  a taxa de desemprego segurado subiu de 1,2% para 2,1%.

Onde os pedidos aconteceram? O Estado da Califórnia lidera, com 879 mil novos pedidos. A Pensilvânia registrou 377 mil e Nova York, 366 mil.

Que outros dados sairão? Ainda nesta semana devem ser divulgados os primeiros registros de redução dos salários – desde 2010. Mas os dados ainda revelam só o começo da piora do mercado de trabalho.

(Com Bloomberg)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda? Você pode mandar suas perguntas para o e-mail [email protected]. Quem nos segue no WhatsApp também pode mandar sua dúvida. Se você quiser entrar no grupo, esse é o link: https://6minutos.com.br/whatsapp.