Os dados de desempenho da indústria e do comércio do mês de maio, combinados a outros termômetros de atividade, mostram que a economia do país pode ter parado de piorar. Na comparação com abril, mês que alguns consideram ter sido o fundo do poço, as vendas do comércio subiram 13,9%, enquanto a indústria avançou 7%. A brisa só não foi mais refrescante porque o setor de serviços, que vinha sustentando o crescimento da economia nos últimos anos, recuou 0,9%.

O 6 Minutos perguntou para especialistas o que é que a combinação desses dados mostra sobre os rumos da economia. Fabio Klein, da Tendências Consultoria, diz que é cedo para dizer que o pior já passou, mas há outros indicadores que sinalizam um freio na piora.

Claudio Considera, pesquisador associado do Ibre/FGV prefere falar em “despiorar”. “A indústria e o comércio despioraram um pouco mais, o setor de serviços um pouco menos”, disse.

Quais outros sinais de que parou de piorar? Klein diz cita outros termômetros da economia como um sinal de que o poço pode parecer menos fundo:

  • Vendas de papelão ondulado: cresceram 9,61% em junho ante maio
  • Fluxo de veículos nas estradas: alta de 18% em junho em relação a maio
  • Venda de veículos novos: cresceu 113,6%, com emplacamento de 132,8 mil veículos
  • Confiança do consumidor: teve alta de 9 pontos de maio para junho deste ano.
  • Confiança do empresário da indústria: subiu 6,4 pontos em julho, atingindo 47,6 pontos

Então já dá para começar a respirar? Calma, que não é bem assim. Todas essas altas se referem a comparações com meses anteriores de 2020, que foram muito fracos. Em relação aos mesmos meses de 2019, a queda ainda é muito forte em todos os segmentos.

“Começamos a sair desse buraco, mas está bem longe de podermos dizer que vamos começar a crescer de forma duradoura. Vai ser num ritmo lento, vai demorar muito ainda para recuperar o nível pré-recessão de 2014, afirma Considera.

Mas pode ser que as projeções negativas para o PIB parem de ficar cada vez piores. “Dá para imaginar que aquelas projeções negativas, que mês a mês vinham piorando, que isso pare de acontecer. Daqui para a frente, devemos ver algo mais neutro ou mostrar que paramos de piorar”, diz Klein.

Por que a indústria e comércio vieram melhores que o setor de serviços? Klein diz que a indústria se antecipa ao que vai acontecer com o comércio e o setor de serviços. Dessa forma, a reação traz uma perspectiva de alento para os demais segmentos. “A indústria trabalha com um delay, ela produz hoje olhando para o que vai acontecer nos próximos meses. A reação de maio traz um potencial de virem dados positivos para o comércio e serviços em junho e julho.”

Rodrigo Lobo, gerente da PMS (Pesquisa Mensal de Serviços) do IBGE diz que é muito significativo o resultado de maio ter vindo pior que o de abril, que já era o pior da história. “As empresas estão fechando, as pessoas estão perdendo seus empregos. Tudo isso afeta o desempenho do setor.”

Por isso, segundo Lobo, serviços prestados para empresas são um dos mais prejudicados, refletindo tanto o fato de várias companhias continuarem fechadas quanto o fechamento permanente de várias delas.

Ele atribui um pouco da fraqueza do setor de serviços a substituições que as famílias vêm fazendo durante a pandemia. Ele cita o caso da queda no setor de refeições fora do lar. “Como as pessoas estão em isolamento, passaram a fazer mais refeições em casa, o que explica a queda na prestação desse serviço. Por outro lado, essa substituição aumentou as vendas nos supermercados.”

Que outros impactos esses dados podem trazer? Klein diz que a pausa da piora da economia combinada à pressão de preços pode trazer algum impacto para a taxa de juros. “Uma combinação de dados positivos, mais índices inflacionários em alta indicam uma economia que está começando a girar. É preciso monitorar o que vem pela frente, mas talvez sejam sinais para cortes menores [de juros].”

As projeções da FGV para o PIB são de retração de 6,4% neste ano. “Até podemos ter um terceiro trimestre melhor, mas não vai ser suficiente para fechar o ano com um resultado positivo”, afirma Considera.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.com.br/whatsapp.