Uma decisão judicial determinou que a Petrobras deverá rebatizar o campo de Lula, no pré-sal, atualmente o maior em produção no Brasil, disse o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) considerou que o nome do campo gerava promoção pessoal para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou Mattar, em publicações no Twitter.

Não foi possível contatar o TRF-4 de imediato. A Petrobras também não respondeu de imediato a pedidos de comentário sobre as publicações do secretário na rede social.

A Petrobras atribuiu o nome de Lula ao campo, até então denominado Tupi, no final de 2010, perto do encerramento do governo do então presidente Lula.

De acordo com Mattar, que classificou como “acertada” a decisão do TRF-4, a determinação judicial é para que o campo retome o nome de Tupi.

O campo de Lula produziu 1,033 milhão de barris por dia de petróleo e 45,7 milhões de metros cúbicos de gás natural em abril, mantendo-se como maior produtor do Brasil, de acordo com números da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A título de comparação, a produção em Lula já é maior que a oferta total da Venezuela, que ficou em torno de 796 mil barris por dia em 2019, segundo dados da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

(Com Reuters)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.com.br/whatsapp.