O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo, 26, que é preciso aproveitar o tempo para aprovar as reformas tributária e a administrativa e indicou que pode enviá-las juntas ao Congresso Nacional. “A reforma administrativa está praticamente pronta, falta só conversar a última palavra com o Paulo Guedes. A tributária é importante também. E tem que aproveitar, né, porque tem eleições municipais e a partir de junho…”, comentou o presidente após chegar ao hotel em Nova Délhi onde está hospedado com a delegação que o acompanha na missão à Índia.

Perguntado se enviaria as duas reformas juntas após o fim do recesso – no início de fevereiro -, Bolsonaro respondeu que “pode ser”. “Não tem problema nenhum.” O presidente também criticou a complexidade da carga tributária no país. “Fiquei 28 anos dentro da Câmara e nunca chegou uma reforma tributária até o final porque não atende o Estado, o município ou a União. Não atendendo nenhum dos três, como ninguém quer perder nada, acaba todo mundo perdendo muito e o Brasil continua nesse cipoal tributário que dificulta produzir, empregar e encarece exportar”, comentou.

Em sua fala, o presidente reafirmou a necessidade de reduzir os impostos e destacou que Estados e municípios têm autonomia e independência para alterar alguns impostos. “Não culpe só a mim”.

Quando questionado sobre possíveis mudanças, ele respondeu com uma comparação automobilística. “Eu não entendo nada de economia. Contratei um Posto Ipiranga. Não vou contratar o Nelson Piquet para trabalhar comigo, botar do lado e eu dirigir o carro”, afirmou em referência ao ministro Paulo Guedes.

Quem quer ser patrão?

Bolsonaro também repetiu o discurso de que é preciso defender o empregador no Brasil e promover a desburocratização. “Se não defender o empregador não tem emprego pra ninguém”, afirmou. “Quem quer ser patrão? Tem que ser herói ou faltar um parafuso na cabeça dele. (Então) Tem que fazer o máximo possível para facilitar a vida de quem quer empreender”, afirmou.

Bolsonaro está na Índia desde sexta-feira, onde assinou 15 acordos bilaterais, visitou o memorial do líder pacifista Mahatma Gandhi, conheceu um bazar turístico e participou como convidado de honra do primeiro-ministro Narendra Modi do Dia da República. A agenda termina nesta segunda com um encontro com empresários e uma visita ao monumento Taj Mahal.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.