As vendas no varejo caíram 2,5% em março, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio divulgada nesta quarta-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

As atividades de vestuário e combustível registraram quedas expressivas, mas foram parcialmente compensadas pelas vendas nos supermercados, que têm muita influência no varejo como um todo.

No varejo ampliado, que considera as atividades de material de construção e venda de automóveis e peças, a queda foi de 13,7% em março, a contração mais acentuada desde 2003.

Veja os destaques do varejo para o mês de março no varejo e no varejo ampliado:

  • Tecido, vestuário de calçados: – 42,2%
  • Combustíveis e lubrificantes: -11,2%
  • Móveis e eletrodomésticos: -25,9%
  • Veículos, motos e autopeças: -36,4%
  • Construção: -17,1%

Por outro lado, os setores supermercadista e farmacêutico registraram alta. Nos supermercados, houve avanço de 14,6% em março. E de 1,3% nas farmácias.

O que diz o IBGE? “Março foi bastante impactado pela estratégia de isolamento social adotada em algumas das cidades mais importantes e populosas a partir da segunda quinzena do mês. Essas cidades consideraram hiper e supermercados e produtos farmacêuticos como atividades essenciais, enquanto as demais tiveram as portas fechadas nos comércios de rua e nos centros comerciais”, diz o gerente da PMC, Cristiano Santos.

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.com.br/whatsapp.