No admirável mundo novo da múltipla oferta de serviços financeiros por um número crescente de bancos e fintechs, como as pessoas se comportam?

Para o Guiabolso, um dos sites pioneiros no Brasil na coleta e na análise de dados financeiros dos usuários, há um padrão: o uso de tais serviços cresce na medida em que o consumidor passa a dispor tanto da recomendação daqueles que mais fazem sentido ao seu perfil de gastos, poupança etc. como da oferta deles na mesma plataforma.

É com base nesse entendimento que o Guiabolso, que conta com 5,6 milhões de usuários cadastrados, começou a acertar parcerias nos últimos meses: primeiro, com o Banco Original. Depois, com a gestora Warren.

Qual a visão do negócio? “Quanto mais os serviços estiverem integrados para o usuário, melhor será a sua experiência”, afirma Benjamin Gleason, cofundador do Guiabolso e responsável pela área de novas parcerias. Para ele, o grande desafio é tirar o cliente da inércia de usar apenas os produtos — não necessariamente rentáveis — já oferecidos pela instituição em que mantém conta.

Com uso de inteligência de dados e a compreensão dos hábitos financeiros dos clientes, o Guiabolso quer oferecer o que entende fazer mais sentido para cada pessoa: “Se o usuário faz uso frequente do cheque especial ou do rotativo do cartão de crédito, podemos oferecer linhas de crédito com menor custo”, exemplifica o empreendedor.

Gleason relaciona a oferta de produtos ao amadurecimento do sistema financeiro. Hoje existem mais de dez fintechs de crédito no país e outros 20 pedidos em análise pelo Banco Central. Quando o aplicativo do Guiabolso surgiu, em 2015, não havia forma de tomar empréstimo que não fosse em bancos, financeiras ou cooperativas.

Como funcionam as parcerias? Clientes do Banco Original passam a contar com a gestão financeira e a categorização de despesas feita pelo Guiabolso, além da já mencionada curadoria sobre os produtos; os usuários do Guiabolso, por sua vez, passam a contar com a oferta em si de crédito, da conta corrente e, em breve, de investimentos disponibilizados pelo banco digital. Tudo por meio da integração de plataformas, numa antecipação ao open banking, o sistema que dá aos clientes controle sobre seus dados bancários.

A parceria com a Warren, segundo Gleason, atende a um usuário que entende um pouco mais de finanças e que já tem certa familiaridade com investimentos. Ainda assim, é oferecido um valor simbólico de R$ 25 para quem aplicar no mínimo R$ 100, como forma de incentivo da migração para a plataforma.

Quais os próximos passos? O plano é oferecer cada vez mais produtos, como cartões de crédito e seguros, de parceiros diferentes. “Dificilmente uma instituição financeira vai oferecer os melhores produtos do mercado em todas as frentes”, argumenta o fundador do Guiabolso. “É por essa razão que entendemos que o nosso modelo de fazer a curadoria dos produtos faz mais sentido para os usuários”, complementa.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.