A Empiricus, uma das maiores casas de análise de investimentos do país, voltou a ser notícia.

Mas, desta vez, não foi por nenhuma das campanhas publicitárias que fizeram sua fama.

A Empiricus Research acertou na terça-feira (dia 12) um acordo com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), autarquia federal quer regula e fiscaliza o mercado de capitais, para colocar fim a dois processos administrativos em que era investigada pela suspeita de ter cometido irregularidades em sua atuação nos últimos anos.

Como parte do termo de compromisso acertado, a empresa pagará R$ 4,25 milhões à CVM.

Quais eram as acusações contra a Empiricus? A CVM mantinha dois processos administrativos (um em 2018 e outro em 2019) para investigar se a Empiricus e a Inversa (empresa da mesma holding) estariam distribuindo relatórios de análise, em caráter profissional, elaborados por analistas licenciados ou por pessoas sem registro de analista. Ou seja, que estariam impedidos de desempenhar atividades de analistas credenciados.

O que prevê o acordo? Ele encerra a disputa em esfera administrativa e judicial entre a Empiricus e a CVM. Os termos do acordo são os seguintes:

  • A Empiricus vai pagar à CVM um montante de R$ 4,25 milhões, divididos da seguinte forma:
  • R$ 3 milhões em nome da Empiricus, em quatro parcelas mensais
  • R$ 500 mil em nome da casa de análises Inversa, em duas parcelas mensais
  • R$ 750 mil relativos aos 15 analistas listados no termo de compromisso (R$ 50 mil para cada um), incluindo o sócio-fundador Felipe Miranda
  • A empresa renuncia a uma ação na Justiça em que alega que produz negócios editoriais e que estes não devem se sujeitar à regulação da CVM
  • A Empiricus assume o compromisso de realizar, num prazo de 60 dias, o credenciamento de seus analistas na Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais)

O que disse a CVM? “O Comitê de Termo de Compromisso entendeu que a proposta (da Empiricus) seria suficiente para desestimular a prática de condutas semelhantes no mercado, sendo oportuno e conveniente realizar o acordo. Dessa forma, propôs ao colegiado a aceitação da proposta”, afirmou o órgão em nota.

E o que disse a Empiricus? O CEO da empresa, Caio Mesquita, comemorou: “O acordo traz segurança jurídica para o nosso negócio e nos deixa ainda mais otimistas com o seu futuro. É um passo muito importante na institucionalização da Empiricus.”

A Empiricus fez um mea-culpa ou assumiu que errou em campanhas passadas? A empresa não faz uso dessa expressão. “O recolhimento do valor, conforme o termo, não implica qualquer reconhecimento de culpa ou má conduta e não houve qualquer processo administrativo sancionador”, disse a Empiricus em nota.

Afinal, o vídeo da Bettina do ano passado foi investigado? As investigações da CVM se encontravam no mesmo contexto de verificar se apenas analistas credenciados faziam análises de investimento. A autarquia divulgou um comunicado à época da divulgação do vídeo em que a funcionária da Empiricus dizia que havia conseguido acumular mais de R$ 1 milhão em três anos partindo de um valor inicial de pouco mais de R$ 1 mil.

“O investidor deve abster-se de tomar decisões baseado exclusivamente em opiniões manifestadas na internet, em redes sociais, blogs, chats etc., e de acreditar em ofertas de investimentos por meio de sites, normalmente acompanhadas de promessas de ganho rápido ou sem risco”, disse a CVM na ocasião.

E campanhas como a da Bettina vão desaparecer? A Empiricus sinaliza que sim. “Nosso marketing já foi ajustado desde o meio do ano passado, com a consolidação da área de compliance”, afirma Mesquita. Segundo a empresa, um exemplo é que todos os vídeos passam agora por uma avaliação para que tenham a mensagem de que ganhos passados não são garantia de retornos futuros.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.