Mais uma Black Friday chegando e o principal fator de risco para os consumidores brasileiros segue sendo cair na “Black Fraude”. Site que registra reclamações de consumidores, o ReclameAqui compilou queixas feitas sobre o período da promoção na plataforma e concluiu: a propaganda enganosa é historicamente o principal fator de queixa.

Das 5.607 reclamações feitas na plataforma entre os dias 21 e 23 de novembro de 2018, quando foi realizada a última Black Friday, pouco mais de 14% diziam respeito ao assunto. É ruim, mas já foi pior: em 2015, essa era a queixa de 36,2% dos consumidores que foram ao ReclameAqui.

Qual é a dica para não cair nessas propagandas? Para a empresa, a redução na proporção dessas reclamações deve-se a uma prática que, se ampliada, pode fazer com que o problema caia ainda mais: acompanhar os produtos que pretende comprar com antecedência para conseguir mensurar o real desconto nas ofertas anunciadas.

No ano passado, uma pesquisa do ReclameAqui feita antes da Black Friday indicou que 69,7% acompanhavam os preços e já tinham percebido que as empresas antecipavam promoções. “O brasileiro já entendeu a dinâmica da Black Friday depois de algumas edições decepcionantes. Quem quer comprar, pesquisa mais, arrisca menos e consegue aproveitar as ofertas”, diz Felipe Paniago, diretor de operações do ReclameAqui.

Quais os outros motivos para reclamações? De forma constante desde 2015, é possível verificar que os outros fatores que sempre compõem o top 3 das principais queixas dos usuários do ReclameAqui são os problemas técnicos para concluir as compras, levando a perda das ofertas, e as divergências de valores.

Em 2018, os dois assuntos foram causas para experiências ruins, em ambos os casos, de 7,6% dos consumidores que utilizaram a plataforma. Na sequência, apareceram como motivos principais de reclamação o atraso na entrega (3,9%) dos produtos comprados e o estorno do valor pago (3,0%).

Quais as dicas do ReclameAqui para 2019? A empresa separou três pontos importantes a serem observados pelos consumidores interessados em fazer compras na Black Friday, a saber:

  • Não fornecer dados pessoais ou bancários. A plataforma ressalta que deve-se desconfiar de empresas que pedem senhas de cartões, informação que não é necessária para transações online.
  • Faça capturas de tela. A ferramenta do print screen, a captura da tela como uma imagem que fica salva no seu computador, é uma boa ferramenta na mão do cliente da Black Friday para provar a oferta que foi escolhida.
  • Tome cuidado com lojas novas. O ReclameAqui ressalta que a Black Friday não é exatamente a melhor oportunidade para você comprar em uma loja nova pela primeira vez, mas em todo caso, a depender da sua intenção, pesquise. A dica é optar por marcas conhecidas no mercado e com SAC, número de telefone e CNPJ fáceis de identificar.
Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.