As contas de luz dos brasileiros ficarão até o final de dezembro com a chamada bandeira tarifária verde, que não gera custos adicionais para os consumidores, segundo decisão da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

O que aconteceu? A mudança temporária no mecanismo tarifário, que aumenta custos da energia ao sair do patamar verde para o amarelo ou vermelho, o que acontece de acordo com a oferta de geração no sistema, foi formalizada pela agência em despacho no Diário Oficial da União desta segunda-feira (1º).

A medida vem pouco após o governo ter aprovado um pacote de medidas para apoiar o caixa de distribuidoras de energia, que têm sofrido com a queda de demanda e a maior inadimplência associadas à pandemia de coronavírus.

Qual é a situação atual do setor elétrico? O apoio às elétricas envolverá empréstimos de até R$ 16 bilhões de um grupo de bancos liderado pelo BNDES, que poderão ter parte dos custos repassados às tarifas dos consumidores nos próximos anos.

“O cenário de redução de carga e as perspectivas de geração de energia tornam possível o acionamento da bandeira verde nos próximos meses”, defendeu a Aneel em nota.

Além disso, custos das distribuidoras de energia que geralmente são cobertos pela arrecadação gerada com as cobranças das bandeiras tarifárias serão temporariamente custeados pelos empréstimos bancários ao setor, acrescentou a agência.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.com.br/whatsapp.