O clique e retire, modalidade de entrega em que o consumidor compra na internet e retira na loja, é uma das que mais crescem no e-commerce. De olho nessa tendência, o Carrefour vem testando novas tecnologias para dar ao consumidor uma gama maior de opções na hora de buscar sua compra. O objetivo é ampliar comodidade do cliente: quanto mais perto da sua casa, melhor.

Entre os sistemas que já foram implantados há mais tempo estão o de retirada no hipermercado, no Carrefour Express (loja de formato menor) e no drive do supermercado (o cliente não precisa entrar na loja e recebe a compra no estacionamento).

Uma novidade que começou a ser testada faz pouco tempo é a retirada em lojas de bairro que são parceiras da Jadlog, responsável pela logística do Carrefour. Fazem parte dessa malha 230 pequenos estabelecimentos, como papelarias, lavanderias, quiosque de celular e até loja de conveniência de posto de gasolina.

“Esse é um teste que começou em São Paulo e no Rio de Janeiro e vamos ampliar para outras localidades”, diz Luiz Rufino, diretor de omnicalidade (responsável pela integração entre mundo digital e físico) e inovação do Carrefour.

O que significa tudo isso? Rufino diz que tem uma batalha por buscar novidades o tempo todo para a experiência do cliente. “São coisas que impactam na jornada do cliente e muitas vezes ele não vê. Ele enxerga os caixas, o estacionamento, o site. Mas a gente se organiza para criar uma empatia maior na hora da entrega, fazendo que isso aconteça da forma mais cômoda para ele”, afirma e executivo.

Quais são as pequenas mudanças que o cliente não vê? Uma delas tem relação com o estoque. Antes, os produtos entregue pelo clique e retira vinham do centro de distribuição e o prazo de entrega era de dois dias, em média. Agora, o Carrefour passou a usar o estoque da loja, o que reduziu o prazo de entrega para um dia em alguns casos.

E quem faz a entrega do clique e retira? Rufino diz que a entrega é feita por funcionários do Carrefour dentro dos hipermercados. Mas quando a retirada é na loja express, os produtos ficam em lockers (armários). E aí o consumidor retira sem precisar falar com ninguém, pois ele tem a senha para abrir o locker.

E qual o sentido de entregar nessas lojas que não são do Carrefour, como papelarias? Rufino diz que o objetivo é complementar a malha de entrega. Ou seja, são lojas que estão localizadas em lugares que não existem outras unidades do Carrefour.

E qual o grande objetivo do Carrefour agora? Rufino diz que o grupo quer ser líder no e-commerce alimentar. Segundo ele, essa categoria ainda representa uma parcela muito pequena das vendas totais de alimentos do país, menos de 1%.

Quais iniciativas têm sido tomadas para melhorar isso? Uma delas é a parceria com o Rappi, que vem crescendo e chegando a novas lojas com muita velocidade. “A proposta é dar valor para o cliente. Ele consegue comprar o que quiser e receber em menos de uma hora”, diz Rufino.

E o que mais vem por aí? Muito trabalho ligado à inovação. Um dos planos é aumentar a quantidades de self-checkouts (auto-atendimento) nas lojas. Outra coisa, já disponível nas lojas express, é o scan & go, ou seja, o cliente escaneia os produtos que comprou, paga e mostra para o funcionário o recibo e sai da loja. Outra novidade é a utilização da assistente digital Carina, que recebe demandas de clientes por WhatsApp tanto em forma de texto quanto de áudio.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.