A incorporadora Cyrela, uma das maiores do país, anunciou nesta quinta-feira (7) que obteve um  lucro líquido de R$ 104 milhões no terceiro trimestre, resultado que impulsionado pelo crescimento das receitas com o aumento dos lançamentos e das vendas de imóveis. No terceiro trimestre de 2018, a empresa havia registrado um prejuízo de R$ 121 milhões. O resultado foi divulgado depois do fechamento do mercado.

O resultado veio acima das expectativas de analistas, que previam um lucro de R$ 76,5 milhões no terceiro trimestre de 2019.

Quais foram os principais números de julho a setembro? No trimestre, os lançamentos da Cyrela movimentaram R$ 1,77 bilhão, o que representa quase o dobro do registrado no ano passado. As vendas subiram 70%, para R$ 1,07 bilhão, e as entregas de imóveis cresceram 92%, para R$ 1,23 bilhão.

O que explica números tão positivos? A receita líquida da incorporadora subiu 29% no trimestre, para R$ 935 milhões, alimentada pelo encarecimento do valor médio do metro quadrado. Os lançamentos tiveram um reajuste de 10% no m² na comparação com o mesmo período de 2018. A margem bruta da empresa subiu de 28% para quase 31%.

O aumento do preço cobrado nos imóveis só foi possível graças ao atual momento do mercado imobiliário, com a demanda novamente aquecida por parte das famílias — um reflexo da guerra do crédito imobiliário entre os maiores bancos do país, que tem levado a uma queda acentuada dos juros cobrados.

“O setor comemorou notícias de redução nas taxas de financiamento (habitacional) à pessoa física pelas principais instituições bancárias do país. Continuamos confiantes no potencial do país de apresentar crescimento e desenvolvimento sustentáveis ao longo dos próximos anos”, afirmou a Cyrela no comunicado oficial.

A dívida líquida da Cyrela atingiu R$ 696 milhões, 47% mais que no segundo trimestre. A alavancagem medida por meio da relação dívida líquida sobre patrimônio líquido aumentou na comparação trimestral, de 8,3% para 12,7%, afirmou a empresa, citando pagamento de dividendos R$ 300 milhões no período.

(Com a Reuters)

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.