Refinarias em todo o mundo podem restringir a produção de querosene, o combustível de aviação, reduzindo parcialmente o processamento de petróleo. A decisão pode vir após o anúncio de que os Estados Unidos baniram voos provenientes da Europa, com o objetivo de tentar conter a disseminação do coronavírus.

O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou na quarta-feira (dia 11) que foram vetadas viagens aos EUA provenientes de 26 países europeus, durante um período de 30 dias. No mesmo dia, a Índia disse que iria suspender a concessão de vistos para viagem ao país.

Como resultado da medida dos EUA, a demanda por combustível de aviação pode cair entre 200 mil e 250 mil barris por dia. Essa redução aconteceria tanto no mercado norte-americano quanto no europeu, ao longo dos 30 dias de validade do veto, disse o analista de refino da consultoria Wood Mackenzie, Mark Williams.

As refinarias podem lidar com o menor valor do combustível para aviação cortando suas taxas de processamento do querosene, e optando por fabricar outros derivados do petróleo.

“Eu tenho certeza de que elas já estão fazendo o possível para reduzir a produção de combustível de aviação”, disse um agente de mercado nos EUA.

Os preços físicos do combustível de aviação na costa do Golfo dos EUA caíram para o menor nível para o mês desde 2004.

“Isso (a restrição dos EUA a voos) é o fim do mercado de aviação e provavelmente precisará haver cortes no processamento na Europa”, disse uma fonte em uma refinaria da Coreia do Sul.

“Haverá um efeito também sobre os mercados da Ásia e as refinarias provavelmente terão que avaliar cortes no processamento”, acrescentou.

O querosene não pode ser armazenado por longos períodos por riscos de perdas de qualidade, o que incentiva as refinarias a produzir menos.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda? Você pode mandar suas perguntas para o e-mail [email protected]. Quem nos segue no WhatsApp também pode mandar sua dúvida. Se você quiser entrar no grupo, esse é o link: https://6minutos.com.br/whatsapp.