A Volkswagen pode ter que cortar empregos se a pandemia de coronavírus não for controlada, uma vez que a montadora está gastando cerca de 2 bilhões de euros (US$ 2,2 bilhões) por semana com a produção parada, disse o CEO do grupo, Herbert Diess, ao canal de TV alemão ZDF.

A Volkswagen, maior montadora de veículos do mundo em vendas, possui 124 fábricas, das quais 72 estão na Europa, e 28 na Alemanha. A empresa suspendeu a produção na Europa no início deste mês por causa da pandemia.

O que o CEO da Volks falou? Diess disse que a empresa, que emprega 671 mil pessoas em todo o mundo, não está realizando vendas fora da China e que está procurando maneiras de retomar a produção em outros lugares sem colocar em risco funcionários.

“Precisamos repensar a produção. A disciplina que tínhamos na China ainda não temos em nossas unidades na Alemanha”, afirmou.

“Somente se nós, como China, Coreia ou outros Estados asiáticos, controlarmos o problema, teremos a chance de passar pela crise sem perder empregos. Isso requer uma intervenção muito acentuada”, disse Diess. A demanda na China está aumentando novamente, mas a produção está apenas na metade do nível anterior à crise, disse ele.

“Não estamos vendendo ou gerando receita fora da China”, disse Diess, acrescentando que a Volkswagen ainda tem que cobrir um alto nível de custos fixos de “cerca de 2 bilhões de euros por semana”, disse ele à ZDF.

A Volkswagen está trabalhando em maneiras de retomar a produção com trabalhadores mantendo distâncias seguras entre si, inclusive aumentando a higiene e a desinfecção, disse Diess.

 

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda? Você pode mandar suas perguntas para o e-mail [email protected]. Quem nos segue no WhatsApp também pode mandar sua dúvida. Se você quiser entrar no grupo, esse é o link: https://6minutos.com.br/whatsapp.