As novas tecnologias se disseminam e, com elas, também crescem as tentativas de golpe por meio dessas ferramentas e os desafios para a segurança nos ambientes digitais. Aplicativo de celular mais utilizado no Brasil, o WhatsApp está no centro da atual preocupação dos especialistas em cibersegurança.

É provável que você já tenha visto nas suas redes sociais publicação de algum amigo ou familiar pedindo que os contatos desconsiderem um pedido de dinheiro feito por meio aplicativo, acusando a clonagem da conta. O “golpe do WhatsApp” se utiliza de falhas técnicas e táticas de enganação e pode causar prejuízos sérios aos usuários.

Funciona assim. Com a intenção de aplicar golpes financeiros, criminosos clonam contas do WhatsApp, conseguindo se passar por outros usuários do aplicativo de mensagens. De posse dessas contas, os fraudadores acessam informações privadas, como histórico de conversas e lista de contatos, para atuar ilegalmente.

Assustador, não é mesmo? A boa notícia é que há ações fáceis e práticas capazes de coibir esse tipo de golpe e evitar a clonagem. Também é possível saber com antecedência se você foi vítima e tomar medidas para conter os danos.

Como esses criminosos conseguem clonar o WhatsApp? Para conseguir habilitar a conta do aplicativo de mensagens em um novo aparelho, o fraudador precisa ter acesso a um código que é enviado pela ferramenta ao usuário por meio do SMS.

Para isso, o criminoso pode se aproveitar de fragilidades técnicas da operadora de celular, habilitando seu número de telefone em um novo chip, ou até jogar uma conversa fiada para que o próprio usuário passe essa sequência. Nesse segundo caso, um dos alvos preferenciais são pessoas que disponibilizam os números de telefone em sites de anúncio de produtos, por exemplo.

Por isso, a primeira dica para se prevenir é… Nunca, em hipótese alguma, passar a terceiros o código de confirmação da sua conta no WhatsApp, além de desconfiar de pedidos de dinheiro pelo aplicativo mesmo que vindos do número de amigos ou familiares.

No entanto, apenas estar consciente desse risco não é suficiente para se precaver do golpe. Criminosos conseguem se aproveitar de falhas técnicas para habilitar em chips novos números de telefone existentes. Para evitar que isso ocorra, é essencial habilitar uma ferramenta do WhatsApp chamada “Confirmação em duas etapas“.

Trata-se de uma senha de seis dígitos, definida pelo próprio usuário. Após a habilitação, o aplicativo passa a pedir periodicamente que essa senha seja informada para confirmar a autenticidade de quem está usando o dispositivo. Além da sequência numérica, o app também solicita um endereço de e-mail.

Passo a passo para habilitar a confirmação em duas etapas no WhatsApp

Passo a passo para habilitar a confirmação em duas etapas no WhatsApp

Aconteceu comigo. E agora? Se o seu celular ficar sem sinal para fazer ligações e internet por redes móveis por um período prolongado, isso é um sinal de que você pode ter sido vítima do golpe, com a transferência da sua linha para outro aparelho. Mesmo que isso não tenha ocorrido, você deve também ficar alerta se o seu celular apresentar como lidas mensagens que você não se recorda de ter aberto.

Se desconfiar de que foi vítima, a primeira ação é buscar avisar seus contatos para que não caiam em um eventual golpe. Se estiver sem acesso ao WhatsApp, pode usar outras redes sociais, como o Facebook. Se a sua linha for inteira sequestrada e você estiver sem acesso às redes móveis, suas alternativas são utilizar redes Wi-Fi ou um computador.

Na sequência, você deve avisar o aplicativo de mensagens e a sua operadora de celular. Para contatar o WhatsApp, você deve mandar um e-mail para [email protected] Para agilizar o atendimento, acrescente a frase “Perdido/Roubado: Por favor, desative minha conta” e coloque seu número no formato internacional. Exemplo: + 55 (código do Brasil) 11 (cidade) 12345-6789.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.