A rede social de vídeos TikTok já é um dos aplicativos mais baixados do mundo. Mas não por isso está abrindo mão de alguns limites. Nesta quarta-feira (8), a plataforma anunciou que vai banir conteúdos que questionem fatos históricos e violentos como o Holocausto e tiroteios em escolas americanas.

Por que isso está sendo feito?A empresa decidiu tomar partido e se diferenciar das redes sociais mais tradicionais do Vale do Silício. A forma como as essas plataformas lidam com assuntos polêmicos e de teorias da conspiração se tornou um tema espinhoso para as companhias.

Como as redes sociais se posicionam?

  • Facebook não vai interferir nas publicações porque duvida que elas sejam feitas de fato por maldade. O comunicado foi feito pelo CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, em 2018.
  • Youtube começou a tomar partido só em julho de 2019. Um youtuber foi bloqueado da rede social porque relacionou um tiroteio em uma escola norte-americana à teoria da conspiração contra o porte de armas no país. O banimento veio após denúncias de familiares das vítimas do massacre de Sandy Hook (dezembro de 2012-EUA).

Então o TikTok merece aplausos? Não é bem assim. Segundo o jornal The Guardian, a empresa chinesa tem diretrizes para banir notícias sobre o genocídio da Camboja, que teve a China como cúmplice, e também sobre os protestos na Praça da Celestial, um dos episódios mais violentos da história do país.

Quer receber nossos boletins e notícias pelo Whatsapp? É só clicar no link abaixo com o seu celular e você já estará no nosso grupo.